Série Escolas de Restauração: Laboratório Eugênio da Veiga – LEV

A fim de divulgar o trabalho de restauração dos bens culturais móveis, publicaremos mensalmente matérias sobre as Escolas de Restauração do nosso país. Na primeira edição desta proposta, conheceremos a Escola de Restauração da Arquidiocese Primaz do Brasil, situada na Universidade Católica do Salvador.

Primeira diocese criada no país em 25 de fevereiro de 1551 pelo Papa Júlio III, através da Bula Super specula militantis ecclesiae, a Arquidiocese de São Salvador permaneceu durante muitos anos como a única diocese do Brasil, não causando surpresa o fato de possuir o mais importante acervo eclesiástico do país e um dos principais da América Latina.

O arquivo permanente da Cúria Metropolitana de Salvador conta com mais de 11.000 documentos e guarda importante documentação para os estudos sobre a história da Igreja, em particular, e da sociedade soteropolitana, baiana e brasileira dede a Colônia até a primeira metade do Século XX.

Visando a restauração e catalogação deste acervo nasceu o Laboratório de Conservação, Restauração e Tratamento Arquivístico Reitor Eugênio de Andrade da Veiga (LEV), resultado de um convênio firmado entre a Arquidiocese de Salvador e a Universidade Católica do Salvador (UCSAL). Inaugurado em 23 de fevereiro de 2002, o Laboratório Eugênio da Veiga tem a missão de conservar as obras que constituem o acervo da Cúria Metropolitana que integram os nossos bens culturais, buscando manter viva a memória do nosso povo, bem como formar pesquisadores e técnicos na área de Patrimônio Cultural com ênfase na preservação, conservação, restauração e no tratamento arquivístico.

No rico acervo do Arquivo da Cúria Metropolitana de Salvador, abrigado no LEV, é possível encontrar documentos oficiais da Igreja, mas há também aqueles que se referem aos fatos importantes da sociedade, pois quase todos os acontecimentos dos períodos a que se referem esses documentos passavam pela Igreja, perante a qual eram depositados os documentos de natureza civil. No acervo estão atos dos Arcebispos e outras obras da história religiosa, documentos da sociedade soteropolitana e nacional, tais como registros de batizados, casamentos e óbitos e séries relativas ao divórcio, no sentido eclesiástico.

Além destes, existem outros conjuntos documentais, como dispensas matrimoniais e despachos, ordenações, ofícios, correspondências dos Arcebispos, correspondências avulsas, apresentação de padres, matrículas, documento do Cabido Metropolitano, entre muitos outros, que certamente contêm importantes evidências históricas.

Para realizar os trabalhos de conservação, restauração e tratamento arquivístico o LEV dispõe de modernos equipamentos e materiais especializados. A sua estrutura conta com salas destinadas a todas as etapas do tratamento, que vão da supervisão técnica a guarda do acervo, passando pelas salas de desinfetação e quarentena, de expurgos, limpeza mecânica, higienização, entre outras.

 

O LEV e a articulação com a missão da Universidade.

As atividades do LEV são, por natureza, universitárias, sendo concebidas desde a estreita vinculação entre o ensino, a pesquisa e a extensão. O Laboratório consiste num espaço de prática e estágio para estudantes da UCSAL, dos cursos de História e Informática, com atividades que capacitam os estudantes no trabalho com técnica arquvística, historiográfica, conservação e restauração e história da arte.

O LEV possui, ainda, um grupo de estudos cadastrado no CNPq sobre a “História da Igreja no Brasil”, aberto a todos que quiserem participar. Além disso, o Laboratório Eugênio da Veiga atende pesquisadores de todo o Brasil e também de outros países.

 

Os Arquivos Eclesiásticos com bem cultural da Igreja.

Ao longo da sua presença milenar no mundo a Igreja sempre se preocupou em dialogar com as culturas em vista do anúncio de Jesus Cristo, advindo daí a produção de um vasto patrimônio cultural de inspiração cristã. Mais do que produzir bens culturais a Igreja se dedicou também a valorização da função pastoral destes bens.

Dentre os bens culturais produzidos pela Igreja destacam-se os Arquivos Eclesiásticos, “lugares de memória das comunidades cristãs e fatores de cultura para a nova evangelização[i]”, que resguardam documentos históricos relevantes para a Igreja e para a sociedade. Os acervos dos Arquivos Eclesiásticos relatam não apenas a memória da Igreja, mas também o cotidiano da sociedade e, no nosso particular, a vida do povo brasileiro.

 

Texto com informações da Universidade Católica do Salvador.

Fotos/Créditos: Arquivos do Laboratório Eugênio da Veiga

[i] PONTIFÍCIA COMISSÃO PARA OS BENS CULTURAIS DA IGREJA. Carta Circular: A função pastoral dos arquivos eclesiásticos. Cidade do Vaticano, 1997.

Escreva um Comentário

Ver todos os Comentários

Seu endereço de email não será publicado. Também outros dados não serão compartilhados com a terceira pessoa. Campos obrigatórios marcados como * *